Math

31 anos, artista visual de alma brasiliense, nascido no Piauí; criando conteúdo para a internet há 9 anos e ajudando pessoas a transformarem vivências em pequenas experiências e instantes de cor, brilho e amor.

@blogdomath

Brasília - DF, Brasil

Compramos uma Alexa! - Minhas impressões sobre Echo 3ª Geração



Quando começamos nosso período de isolamento, há quase 7 meses, a TV acabou ocupando outro espaço na nossa rotina (assim como imagino que tenha acontecido na casa de muitas outras pessoas), pois passou a se tornar uma das únicas opções de lazer seguras para o contexto.

A gente tinha uma smartTV que foi um dos primeiros modelos mais populares a serem lançados e que já tava ficando bem defasado -os apps travavam bastante e as atualizações eram feitas pela própria TV quando ela queria, a gente não tinha controle sobre isso (SOCOOORRR).
Nós não estávamos nem um pouco afim de trocar de TV, até porque gostávamos do tamanho e da qualidade da imagem da que tínhamos (e porque a gente realmente fica muito puto com essa lógica da obsolescência tão rápida de produtos que deveriam durar muito mais), então tentamos melhorar essa questão comprando uma apple TV (aquele aparelhinho da Apple que transforma qualquer TV com entrada HDMI em uma smart com ótimos recursos e apps); de fato, foi uma ótima melhoria, afinal, a gente não tinha mais que lidar com os travamentos constantes, mas uma outra coisa que nos incomodava muito não foi resolvida -o som.

A saída de som da TV (uma Viera, da Panasonic) era bem fraca e, mesmo com o volume baixo, sempre tinha um ruído estourado e isso começou a irritar a gente profundamente, afinal, em qualquer programa, filme, clipe ou novela, nas partes mais marcantes, o que se ouvia era um chiado característico de estouro.
Eu comecei uma saga em busca de caixa de som que parecia impossível de ser concluída: eu só queria uma caixa de som branca, que não fosse exagerada e se encaixasse de forma discreta na decoração da sala -e acabei com a sensação de que brasileiro deve ter alergia a qualquer eletrônico branco, afinal, é tudo preto ou, no máximo prata.

Eu procurei bastante e até encontrei 3 opções brancas e com design bem interessante, porém, uma delas custava aproximadamente 10 mil reais. Nem preciso dizer que estava fora de cogitação, né?
Eu também não queria que fosse exatamente uma soundbar, pois a gente não teria muito onde/como instalar e fiquei bem passado ao perceber que entre as incontáveis opções de som para TV disponíveis no mercado, é tudo MUITO igual -só muda a marca e algum detalhe, mas é sempre uma barra preta ou algo com cara de Transformers.

Lamentar não ia resolver, então eu continuei a busca por vários dias seguidos, sem muita esperança ou possível alternativa/solução, até que lembrei do Echo, o dispositivo da Amazon, que vem com Inteligência Artificial (a famosa assistente Alexa) e que existia em tamanhos e cores diferentes.
Eu assisti alguns vídeos, li alguns reviews e, considerando que o preço parecia justo, comparado aos demais equipamentos similares que eu vi na internet, a gente resolveu comprar o Echo 3ª Geração e testarmos por 30 dias, o prazo que a Amazon disponibiliza para avaliação.

Nossa Echo chegou e não adiantou pois nossa TV antiga não tinha conexão via bluetooth; eu fiz a compra consciente disso pois tinha visto no YouTube que seria possível fazer uma conexão via cabo com entrada P3 -e que tinha uma chance de não funcionar.
Pois bem, não funcionou e eu tô dando toda essa volta explicando nossa saga pra ajudar você que possa estar lendo esse post, passando por uma situação parecida, afinal, eu não encontrei nada tão esclarecedor nos posts que li, nem nos vídeos que vi.


Até aqui, o que temos?
Uma smartTV mais antiguinha, com entrada HDMI, mas sem conexão bluetooth;
Temos também uma appleTV, que resolveu o problema com o travamento dos apps e conseguiu dar uma sobrevida à TV; 
Um som ruim não se resolveria sem um bom equipamento -e nenhuma opção de caixa de som branca com conexão via entrada p3.
Foi bem aqui que a gente percebeu que teria que dar o braço a torcer de alguma forma: ou continuaríamos vendo TV com som ruim, ou colocaríamos uma grande barra preta no meio da sala (que não tem nada preto, pois minha vibe de decor é sempre clara/iluminada/colorida e com toda certeza do mundo, eu ia ficar muito irritado sempre que olhasse para uma soundbar preta brigando com todo o resto da decoração) ou teríamos que trocar de TV.

Nesse ponto, eu quero só te ajudar a perder menos tempo do que eu perdi com uma verdade meio indigesta, mas que é a realidade: o mercado funciona de forma a nos obrigar a trocar as coisas, mesmo que elas ainda funcionem, como se fossem descartáveis. Nossa TV antiga tinha uma boa qualidade de imagem e a gente só queria melhorar o som. O modelo nem era tão antigo assim (tinha uns 5 ou 6 anos) mas, para ter um som de qualidade, a gente teria que descartar um aparelho eletrônico que funcionava normalmente.
Óbvio que meu critério de cor entra nessa conta, mas apenas como um desabafo: eu acho um absurdo que seja tão difícil de encontrar algo que não seja preto. Eu não queria um tom específico da pantone, sabe... só queria uma caixa de som branca. Branco é tão neutro quanto preto e eu passo a mesma raiva quando vou comprar dispositivos eletrônicos em geral...

Mas e a solução disso tudo?
Bem, a verdade é que a gente já vinha olhando outras TVs e desistimos temporariamente de trocar quando compramos a Apple TV, já que resolveu uma parte.
Mas aí o assunto voltou, já que esse seria o caminho mais "prático", já que essa troca agora, mesmo a contra gosto, teria outros pontos positivos.
Daí a gente comprou uma outra SmartTV, dessa vez, da Samsung (Crystal 4K, com tamanho 50") e finalmente estaria tudo resolvido.

Não sei se ficou claro o suficiente no que eu expliquei até aqui, mas eu não tinha em mente nada além de uma caixa de som; mesmo sabendo que a Alexa poderia oferecer bem mais do que isso, a gente não pensava em automatizar fechaduras, iluminação e outras coisas da casa -e o raciocínio continua o mesmo.

Instalando e conectando a Alexa.

A TV chegou e, como ela já tem Alexa integrada, eu imaginei que a instalação seria bem tranquila e prática mas não foi exatamente o que aconteceu.
Eu já tinha o app Amazon Alexa instalado no meu celular mas não consegui conectar o Echo com a TV via app e nós tentamos fazer essa conexão de várias formas, porém, o autofalante sempre desligava após alguns segundos inativos e a gente não conseguia conectar Alexa e TV, até que chegamos no ponto que realmente importa: como manter o Echo ligado por tempo suficiente para fazer o primeiro pareamento?

A questão aqui é que você tem um dispositivo novo e desconhecido em casa, com poucos botões, sem uma tela com orientações, sem um manual básico e com um app não muito intuitivo... você tenta de várias formas parear TV e autofalante sem sucesso porque o dispositivo de som sempre desliga depois de poucos segundos, automaticamente e, com isso, o pareamento, que precisa de alguns segundos para acontecer, não é concluído.
E aí, como resolver sem surtar?

A solução que encontrei foi pedir para a Alexa procurar dispositivos, enquanto concluía o pareamento através das configurações da TV, usando o controle remoto.
Isso resolveu porque a Alexa demora um pouco para concluir a busca por dispositivos e isso faz com que ela fique ligada/ativa enquanto a TV faz o pareamento; imagino que haja algum caminho/truque mais simples para isso, mas foi como a gente conseguiu resolver aqui.

Depois do pareamento, ela funcionou por uns cinco minutos e, depois, ficou muda (DO NADA, e isso já aconteceu outras vezes); nesse caso, o que resolveu foi desligar da tomada e tentar conectar de novo.

O APP

É indicado que você tenha o app Amazon Alexa no seu celular mas, honestamente, eu praticamente não uso e, apesar de o app ser bem dispensável, eu preciso dizer que achei achei ele bem fraco: não achei intuitivo e, mesmo hoje, depois de já conhecer bem todas as abas, tenho várias considerações de coisas que acho que poderiam ser melhoradas.

A sensação é que a parte visual não foi pensada para o público geral -e eu considero isso um erro de usabilidade; as coisas ficam meio escondidas e eu demorei até me localizar -e fiquei pensando que, se eu, com meus 31 anos e bem habituado a usar e experimentar novos equipamentos tecnológicos tive dificuldades, imagina como deve ser para pessoas mais velhas e/ou menos experientes.

A tela inicial do app, pra mim, deveria ser algo mais próximo de uma página guia ou perfil (a aba de configurações é bem mais eficiente nesse sentido pois consegue direcionar melhor) mas na verdade é uma tela de skills -e eu acho que isso poderia ser uma outra aba dedicada, só para esse tópico.
Eu falo isso considerando que, se estamos falando de uma linguagem ou tecnologia que é nova para muita gente, acho que essa página inicial deve orientar os usuários sobre para onde ir, mas o ponto mais próximo que a tela inicial do app chega disso é com um ícone de "?" para ajuda e feedback.
Na real, essa aba é um FAQ que não ajuda em muita coisa e eu acabava sempre indo pesquisar no google.

O que salva é que, apesar de eu não gostar nada do app, como eu já mencionei, ele se torna praticamente irrelevante depois que você usa pra fazer as primeiras configurações, já que você vai usar comando de voz pra tudo, então, tanto faz.

As skills

Skills são apps com funcionalidades ativadas por comando de voz.
Antes de comprar a Alexa, conversei com algumas pessoas e ouvi muitos comentário empolgados sobre as skills e espero não soar muito ranzinza com esse comentário, mas a verdade é que achei grande parte das skills altamente dispensáveis.

Ver tantas skills bobas me fez lembrar quando os primeiros iphones chegaram com a função acelerômetro e tinha um app que era basicamente assim: ele simulava um copo de coca-cola na tela e, à medida em que você ia virando o celular, o sensor captava o movimento e a coca ia diminuindo do copo na tela, como se alguém tivesse bebendo...
Legal, né? Pra época, era uma super novidade, mas o app servia só pra isso e mais nada e eu te pergunto: você teria algo parecido instalado no seu celular? Porque eu, honestamente, não, rs.

Entre as skills mais infames, eu encontrei uma que pede pra Alexa fazer o gritinho do Michael Jackson, uma que pede para ela fazer risadinha de ladrão (pelo que entendi, é um meme), outra que faz barulho de ventilador e uma outra em que você pergunta "Alexa, firmeza" apenas para ela te responder se tá tudo bem.
Honestamente, eu acho tudo isso beeeeem bobo e um senhor desperdício de tempo dos desenvolvedores que poderiam estar fazendo algo mais útil para a vida das pessoas -mas também entendo que tudo começa por algum lugar e como estamos falando de algo relativamente novo, imagino que no futuro seja possível interagir com assistentes virtuais de forma muito mais interessante a partir desses experimentos de hoje.

Obviamente, existem também skills bem legais e mais conhecidas, tipo as que te permitem controlar as luzes da casa, checar se a porta ficou trancada (mesmo que você esteja na rua) ou aumentar/diminuir a temperatura do ar condicionado, mas essa categoria depende de outros recursos para automação da sua casa, como lâmpadas especiais e fechaduras novas.

Também existem skills relacionadas à apps que fazem parte do nosso dia-a-dia, tipo uber e ifood, mas eu não achei muito prático e prefiro fazer tudo usando meu celular mesmo.

Eu já instalei e testei algumas, mas atualmente tenho apenas 2 skills instaladas:
1) Relaxe meu cão: uma skill que toca sons para acalmar o cachorro.
A gente já usava algo parecido quando saíamos por um tempo mais prolongado de casa, deixando vídeos específicos de relaxamento para cachorro reproduzindo no YouTube.
Usei a skill uma vez e não curti que, quando chegamos, ela havia desligado sozinha -a questão é que eu não sei por quanto tempo ela funciona e não existe uma opção de configurar por quanto tempo eu quero que ela fique "ligada".

2) Spotify: com essa skill, eu pedia para a Alexa tocar uma música, um álbum ou uma playlist no spotify e ela reproduzia.
Usei essa skill algumas vezes no começo, mas recentemente ela deixou de funcionar.
Chequei no app e vi várias reclamações de pessoas com o mesmo problema; tentei desligar da tomada pra ver se voltaria a funcionar, mas não resolveu, então resta esperar por uma próxima atualização.

Existem também as skills nativas, que já vem com a Alexa, sem necessidade de instalação.
Das skills nativas, a gente usa sempre a lista de compras, onde a Alexa acrescenta o que você pede à sua lista de compras por comando de voz -basta dizer "Alexa, acrescente *tal item* à minha lista de compras e pronto.

Amazon Music é outra skill nativa, que reproduz músicas da livraria do serviço de streaming da Amazon, mas você precisa ter o Amazon Prime ativo para isso; nós fizemos uma assinatura do Amazon Prime mas a Alexa não reconhece nosso login...


E O SOM... PRESTA?

Chegamos na parte mais importante, afinal, tudo o que eu queria era  uma caixa de som branca e não muito trambolhuda, né?

Pois é: visualmente, ela é maravilhosa pro que eu precisava, pois não ocupa muito espaço e esse visual branquinho e tubular não é aleatório -ela é assim porque reproduz som em 360 e sim, o som é bem bom, limpo e potente e atendeu perfeitamente aos nossos nossos padrões.

Sander não gosta de barulho muito alto; eu até curto uma música alta às vezes, quando tô sozinho em casa, mas nada tipo trio elétrico (até porque, nesse caso, o bom senso vem em primeiro lugar e eu não quero incomodar os vizinhos), logo, para uso doméstico simples, sem exigência de altíssima potência, resolveu muito bem e agora a gente assiste tudo com mais qualidade (de imagem e de som) e ver meus clipes ficou muito mais daora.
Normalmente, a gente usa num volume baixo e a potência já tá super ok... na verdade, só cheguei ao volume máximo uma vez, para fins de teste mesmo e aguentou bem o tranco, inclusive dos graves.

Eu tô dando ênfase ao nosso tipo de uso porque sei que tem gente que curte som super alto e eu não acho que ela vá suprir a demanda de dar um festão em casa, entende?

Nesse teste de volume, eu percebi que quando ela tá no volume mais alto, existe uma perda/distorção na qualidade, que é algo perceptível, sim, mas não arruina tudo, sabe? É algo que dá pra lidar, até porque imagino que ninguém usaria algo com essa intensidade no dia-a-dia.

Em resumo bem honesto e direto: apesar do tamanho pequeno, o som é bem encorpado, o volume é alto, sem exageros e, apesar de ter alguma distorção quando você usa no volume mais alto, a perda da qualidade é aceitável.

NOTIFICAÇÕES

Esse é um ponto extra que me parece bem comum e acontece com todo mundo em algum momento: do nada, o círculo de led na parte de cima do Echo começa a piscar e, se for seu primeiro contato com esse tipo de dispositivo, você pode ficar perdid@, sem saber o que tá acontecendo e como resolver.
O segredo é: com essas luzes, Alexa tá te dando "recados".
Aqui nessa página da própria Amazon, você encontra o significado de cada tipo de notificação, a partir das cores.
Aqui pra mim, a luz amarela ficou piscando por horas sem parar (já tava me dando tique nervoso) e eu resolvi desativando TODAS as notificações no app Amazon Alexa e também nas configurações do iPhone.


Por fim, mas não menos importante, um resumo sobre as minhas impressões: claro que tudo expresso nesse post é baseado no meu gosto pessoal e nas minhas próprias necessidades, mas eu tentei colocar o que achei que pode ser útil pra quem tá pensando em comprar uma Alexa também e, principalmente, dicas que podem ajudar você a driblar os problemas, caso surjam situações parecidas com as que lidei.

Apesar de não curtir tanto o app e achar boa parte das skills dispensáveis (pela minha configuração de uso), eu curto muito o Echo e queria mencionar que recebi mensagens de seguidoras comentando coisas positivas, como o relato de uma pessoa que tem Alexa em casa para ajudar as crianças a fazerem as tarefas da escola (eu achei isso realmente incrível). Inclusive, Sander sempre usa o comando de voz pra fazer perguntas corriqueiras como cálculos e informações sobre lugares.
O ponto aqui é como você vai adaptar esse tipo de dispositivo para a sua realidade e, nesse caso, só um teste vai ser eficaz o suficiente pra te dizer se você vai curtir ou não (daí a vantagem de poder testar por 30 dias).

Eu tava procurando apenas uma caixa de som e, principalmente considerando que a Alexa é bem mais que isso, tô bem satisfeito.
Também achei o preço bem justo (pagamos R$699), depois de pesquisar bastante por opções similares e perceber que todos os autofalantes ou soundbar com um perfil parecido custavam bem mais caro.
Eu adoro, principalmente, como o Echo se encaixou no ambiente de uma forma bem sutil e trouxe qualidade pro nosso lazer doméstico, então, sim, eu recomendaria uma Echo para uma amiga, apontando todas essas observações, que podem -ou não- ser relevantes para outras pessoas.


E se depois desse review honestão você quiser testar um Echo em casa, pode comprar o seu aqui.
Esse é um link afiliado e, comprando através desse link, eu recebo uma comissão a partir da sua compra ✌

E você, já tem uma Alexa ou outro tipo de assistente virtual em casa?
O que você mais gosta nesse tipo de dispositivo?
Tem alguma skill, dica ou truque pra indicar?
Compartilha aqui com a gente ;)

Por hoje é isso...
Bjs do Math e até a próxima!

Comentários