Demorou um pouco para eu entender o significado real da frase "bicha é resistência", já que eu me considero uma bicha privilegiada pela vida, por ter uma família e amigos que me apoiam e por ter passado por poucos casos de homofobia na vida, sendo que nenhum deles envolveu violência/agressão física.

Mas como entender a importância de saber o seu lugar e reconhecer o seu valor, tendo uma vida ~privilegiada~ como a minha?
Um vídeo muito especial me ajudou com isso e eu pensei que poderia ser legal indicar a vocês, além desse, outros materiais que pudessem ajudar a entender de forma mais ampla e respeitosa o que realmente significa ser gay num mundo onde, diferente de mim -que pude fazer o curso que eu quis na faculdade sem ser recriminado por isso, por exemplo-, vários jovens precisam encarar suas famílias e o risco de ficarem sem teto, de serem agredidos pelos próprios familiares e, infelizmente, em alguns casos, acabam sucumbindo ao mundo das drogas, da prostituição e, no pior dos casos, tem um fim trágico.

Pode respirar aliviado que esse não é um post de textão melancólico, tá?
Prepara a pipoca aí que aqui em baixo estão alguns dos filmes com temática LGBT que eu mais gostei de ver até hoje...

Orações por Bobby

O mais (triste e) emocionante filme sobre o tema que eu já assisti e que mais me traz reflexões até hoje: Orações para Bobby é baseado em fatos reais e aborda a homossexualidade sob diversas perspectivas, entre elas, família, religião, cura gay e até suicídio.
Bobby passa pelo que vários gays passaram e infelizmente ainda passam no momento de descoberta: muito caos e questionamentos tomam conta de sua mente e, ao tentar expor sua verdade, sofre com a rejeição das pessoas mais próximas, que encaram a homosexualidade como anomalia/pecado.
Bobby é excluído da família, tenta encontrar apoio em outros lugares mas não consegue superar todo o sofrimento interno e, a partir de seu suicídio, vem toda uma mudança de pensamento em sua família muito emocionante de se ver.
Em uma das cenas mais emocionantes pra mim, ao ser questionada sobre desde quando percebeu que Bobby era diferente, a mãe responde dizendo que havia percebido que ele era especial e diferente desde antes de nascer, o que reforça a importância do amor materno neste momento de tantos conflitos.
Se eu posso fazer um pedido, honestamente, queria pedir que você não deixasse de ver este filme. Beleza?


Bichas

Quando eu falei sobre um vídeo muito especial lá no comecinho do post, tava falando deste: Bichas é o documentário que vai ajudar você a entender "com todas as letras" o real significado da frase "Bicha é resistência".
Com depoimentos reais e muito honestos, ao longo do registro feito por Marlon Parente, a gente conhece e se aproxima das histórias de jovens muito esclarecidos sobre sua condição e sobre a importância do papel que cada um de nós temos nessa jornada que está só no começo, rumo a uma sociedade mais justa, tolerante e menos preconceituosa.



Moonlight

Moonlight ficou bem famoso ao receber várias indicações ao Oscar e o que me marca no filme é que ele tenta trazer uma outra abordagem sobre o (não tão vasto quanto na vida real) mundo LGBTQI+ no cinema, tendo como protagonista personagens negros e suburbanos.
A narrativa se desenvolve em três momentos diferentes, mostrando infância, adolescência e vida adulta de Chiron, que é identificado como gay pelos outros meninos da escola e das gangues de sua vizinhança antes mesmo que ele fosse capaz de fazer esta descoberta (e isto muito tem a ver com o que eu falei no post anterior aqui no blog sobre ser uma criança "acusada" de ser gay quando nem ao menos se sabe o que é sexualidade).

O filme é tão sensível, poético e sensato ao abordar temas absolutamente pertinentes para o mundo de hoje como sexualidade e consumo de drogas que seria injusto tentar explicar ou mesmo convencer alguém de todas as sutilezas que o tornam o que é em um parágrafo tão enxuto.
Em outras palavras: é um dos filmes mais incríveis que já vi na vida, por ser tão humano e orgânico na tela e por transparecer através de detalhes e da fotografia todas as sensações atreladas ao -muitíssimo bem construído- desenvolvimento da história dos personagens.



Laerte

Laerte-se é sobre verdade, vulnerabilidade, honestidade. Talvez por isso eu tenha me identificado tanto, já que estou no momento da minha vida em que fiz as pazes com a vulnerabilidade ao entender que expor fragilidades não significa ser fraco.
Laerte "saiu do armário" aos 58 anos (em um contexto de vida super tradicional do jornalismo) para algo que nem mesmo ela consegue definir, e é o que eu acho mais fantástico no documentário e na história deste ser humano tão forte e inspirador: a clareza em entender o quão diversos somos e o quanto desperdiçamos por tentar nos enquadrar em uma mera definição.

A construção do documentário em si é genial por explorar de forma muito sensível a relação entre silêncio e o caos, trazendo para a tela a dualidade que pode permear a mente de todo mundo ao longo do material ao tentar encontrar uma resposta para "o que é Laerte".
A resposta talvez esteja em não tentarmos rotular tanto algo que é naturalmente livre e diverso como o ser humano.

Com Amor, Simon

Com amor, Simon, é quase um clichê adolescente, mas eu acho que é exatamente aí que está a genialidade por trás do sucesso do filme: colocar na tela um romance teen gay para toda a família, com todas as características capazes de gerarem empatia para que todo mundo se identifique um pouco com personagens e, ao fim, entendam a mensagem da história.

A verdade é que boa parte do filme trouxe a tona várias sensações que eu já senti na vida, mas de um jeito muito delicado, capaz de tornar gostoso de se recordar até mesmo momentos amargos.

Simon é um adolescente gay que se percebe deslocado no mundo ao descobrir/entender que é gay (o que tem muito a ver com o que eu falei nesse vídeo aqui lá no canal).
Diferentemente de pessoas como eu que precisaram colocar a cara na rua em busca do "seu lugar no mundo", Simon busca alguém com quem possa conversar na internet e acaba se apaixonando por um outro garoto que acabou de se assumir gay anonimamente através de um fórum da escola...

Daí pra frente, várias coisas acontecem no roteiro do filme, mas o mais importante pra mim é o que falei anteriormente: que toda essa história seja contada de uma forma leve e com uma linguagem acessível para todos.

Como isso é importante para a nova geração que está se descobrindo neste momento!
Pode parecer uma comédia romântica boba para muita gente, mas o fato é que eu me lembro muito bem de procurar nas video locadoras algum filme com a temática gay anos atrás, quando eu era adolescente e queria conversar com alguém sobre, mas não tinha com quem falar e resolvi buscar informação em outros canais, num momento em que internet não era algo acessível.
Resultado da minha busca: descobri que filmes gays eram, além de muito poucos, quase escondidos nas prateleiras das locadoras e tinham sempre um tom tão pesado que reforçavam a sensação de que ser gay era algo errado.

Simon representa o oposto disso tudo e a esperança de um futuro mais leve: ele é um fofo, sua história é apaixonante e fico feliz que ela esteja nas telas para ajudar vários garotos que não vão precisar se sentir culpados como eu me senti por procurar um filme sobre o assunto no passado.

Ah! Uma parte muito importante: é impossível não chorar, tá?



E aí, já conhecia algum dos filmes da lista?
Tem mais algum bem incrível para indicar?
Conta aqui em baixo que a gente vai adorar saber (e não deixa de me contar se gostou dos que eu listei, hehe).

Se gostou das dicas do post, não esqueça de salvar em alguma das suas pastas no pinterest ;)


Bjs do Math e até a próxima...

Postar um comentário

Contact

Instagram

© BLOG DO MATH
Design by The Basic Page