Primeiramente, preciso dizer que eu acabei de assistir 13 Reasons Why há um tempo (nunca li o livro) e esse post tá armazenado nos rascunhos há pelo menos duas semanas...
De uma forma muito louca, eu tive um envolvimento afetivo muito forte com a série e, apenas quando acabei de assistir -ainda meio em estado de choque-, fui procurar saber o que as pessoas haviam achado e se todos estavam tão anestesiados quanto eu; foi aí quando vi toda a polêmica em torno da história da Hannah e fiquei em dúvida se deveria colocar esse post no ar ou não.

Apesar de discordar de algumas coisas na série, é inegável que eu assisti com uma "fome" interminável, completamente viciado e que amei muitas partes da história, então, não vejo porque não colocar aqui minha opinião sobre uma das coisas mais legais e polêmicas que assisti recentemente.
A seguir, 13 motivos que me fizeram amar a série:

hannah clay netflix walkman fitas

1. Teenage, sim
13 Reasons tem um clima adolescente que me cativou desde o começo, por me fazer lembrar da época em que uma das minhas únicas preocupações na vida era não perder o próximo capítulo de The O.C no SBT ou tirar pelo menos um 8 na prova bimestral da escola.
E muita gente sempre recrimina conteúdo feito para adolescentes (não que esse seja o caso de 13RW, porque os assuntos ali são tão sérios e abordados de forma tão explícita que a série sequer deveria ser vista por adolescentes, na verdade), mas todos nós já fomos adolescentes um dia e já tivemos nossos questionamentos e nossos irmãos mais novos, sobrinhos ou filhos passarão pelas mesmas coisas em determinado momento e é preciso que adultos tenham ferramentas e formas de ajudar nessa fase complexa da vida.

2. Nostalgia
Apesar de ser totalmente contemporânea, tem alguma coisa ali no meio que me traz uma certa nostalgia. As fitas cassete são uma parte óbvia nisso tudo, mas eu acho que vai além... tem algo nas entrelinhas que remete à lembranças de outro tempo e que eu não consegui decodificar 100% ainda.
Mais alguém teve essa sensação aí? Conseguiu identificar algo?
E as fitas? Mais alguém achou um barato? Hehehe

3. Elenco
Que maturidade a dessa galera, gente! Quanta sensibilidade por parte de todo o elenco para entender e dar vida a todos esses problemas tão complexos de forma tão honesta, delicada...
Vontade de dar um abraço coletivo nessa galera e agradecer pelo trabalho incrível!

4. A beleza de Dylan Minnette e Katherine Langford
Na real, não quero descambar para o supérfluo, mas gente... eu tô muito hipnotizado com a beleza desses dois -que são os protagonistas da série, pra quem ainda não viu.
Tem muita gente bonita na série, sim, e isso não é, nem de longe, o mais importante da história, mas eu tô realmente encantado com os rostinhos dos dois e tendo um crush eterno no Dylan, porque sim.

5. Clay
Dylan é lindo, maravilhoso, entra-na-minha-casa-entra-na-minha-vida, mas personagem e ator são coisas diferentes e o Clay, pohan, o Clay... como eu queria ser amigo desse menino.
Na verdade, deu vontade de adotar ele como irmão mais novo.
Acho que me identifiquei com várias partes da personalidade do personagem e outra parte de mim queria ser como ele, tanto hoje, quanto na adolescência: destemido -apesar de confuso e perdido pelas circunstâncias- e ainda assim, forte, fofo, justo, honesto e decente.
Por mais pessoas assim na vida real!

6. Empatia
Acho que esse é o grande legado da série: mostrar que devemos pensar no outro, nos colocar no lugar do outro e refletir sobre como nos sentiríamos ao ser tratados desse ou daquele jeito.
Muitas vezes somos injustos ou babacas sem perceber e acabamos despejando nosso stress em pessoas que não tem nada a ver com nossos problemas pessoais, sem que a gente saiba o que se passa do outro lado.
São tantas situações em que poderíamos ser pessoas melhores e eu fiquei feliz por conseguir refletir sobre isso ao assistir a série.

7. Amizades
A série mostra duas perspectivas diferentes sobre amizades: um é o lado de quando nos envolvemos com pessoas tóxicas e o quanto isso pode nos prejudicar e o outro lado é o quanto as amizades são importantes e podem nos ajudar a superar os vários problemas da vida.
Eu sempre tive pouco, quase nada de relacionamento com família "de sangue" e sempre vi nas minhas amizades uma família, por mais clichê que isso possa parecer.
Como um bom taurino, sempre fui de pouquíssimos amigos e sempre fui muito seletivo nas minhas escolhas e posso assegurar que, mesmo que algumas amizades tenham feito parte de apenas algumas fases específicas da vida (no passado, eu juraria que amizades tem a obrigação de serem eternas mas hoje eu acredito que nada precisa ser eterno se for honesto e verdadeiro e isso é mais do que suficiente), todas elas me ajudaram na construção do ser humano que eu sou hoje.
Na série, amizades são resultados da convivência dentro do microcosmo que é a escola e 13RW mostra também como esse tipo de relacionamento afeta a vida das pessoas, indo até pontos extremos.

8. Relações Familiares
13 Reasons Why tem família fofa passando por falta de grana, tem família completamente desestruturada por problemas com álcool e drogas, tem família que prefere fechar os olhos diante dos problemas a acreditar que o mundo real tá aí, girando e que as coisas estão acontecendo...
São pequenas amostras do que a vida é: um emaranhado de emoções, sem definição de certo ou errado, o que se reflete no tópico empatia.
Eu odiava muito um dos personagens até descobrir que a mãe dele passava 101% do tempo totalmente passada de drogas e álcool e que ele é daquele jeito simplesmente porque precisa se defender do mundo, precisa sobreviver e como ele não encontra afeto e proteção no seio familiar, ele está sempre na ofensiva e acha que pode magoar qualquer pessoa no mundo porque ele está sempre se sentindo ferido.
Foi aí quando eu percebi que a gente sempre, sempre julga. Mesmo sem querer, mesmo sem pensar, porque lá estava eu, na frente da minha TV, julgando uma história de um personagem que poderia ser uma pessoa real (eu já convivi de perto com uma história parecida de família abalada por uso de drogas -a mãe de um amigo muito próximo era usuária e ninguém sabia, até que um dia ela me chamou pra conversar porque gostava muito de mim e sentiu confiança para desabafar sobre o assunto, que ninguém sabia ainda).
Viu? Pode ser real!
Quem foi a última pessoa que você julgou? Você realmente sabia algo sobre a vida dela?
Você tinha o direito de fazer isso?

9. Trilha Sonora
Minha vida é marcada por trilhas e eu acho que já deixei isso claro o suficiente dado o tanto de playlists que eu sempre compartilho aqui com vocês, né?
Pois bem, migas... a trilha de 13 Reasons Why é maravilhosa porque tem a sensibilidade de representar todas as nuances das emoções do jeitinho que deveria ser: na visão de um adolescente.
Tem um pouco de tudo: ternura, raiva, medo, insegurança, instrospecção, liberdade...
Um salve para essa trilha maravilhosa (acabei de me tocar que ela tem uma sonoridade muito oitentista, talvez seja esse mais um dos aspectos nostálgicos da série que eu mencionei lá em cima, hehehe) e você pode seguir a playlist que eu montei com as músicas lá no spotify:



10. Feminismo
Eu já falei aqui no blog, no dia da mulher -de forma bem breve-, um pouco do que eu penso sobre o assunto e deixei bem claro que eu discordo de pessoas que acham que feministas são pessoas que problematizam demais.
Tem muita coisa que a gente deixou passar por anos, sem refletir, sem reagir, mas que precisam ser repensadas e o feminismo de hoje tem trazido exatamente isso: novos pensamentos, novos horizontes.
Na série, existem momentos em que o feminismo é abordado de forma muito bonita, mostrando uma sororidade autêntica, honesta, de meninas que cuidam umas das outras como uma irmã cuidaria e é assim que eu acho que deveria ser na vida real. Mais um ponto! ;)

11. Coragem
Geralmente, a gente camufla certas coisas para não ter que encarar de frente e o que eu achei fantástico na série é que eles tocam em todas as feridas sem medo de causar aquele constrangimento, sabe?
Porque fingir que o problema não existe se ele está diante dos nossos olhos? Em alguns momentos, somos até hipócritas por fechar os olhos para não termos que lidar com certos problemas que causariam certo incômodo, mas fugir dos problemas não traz a resolução, não é mesmo?

12. A hora é agora
Outra coisa legal é a reflexão sobre o que a gente pode fazer para tornar o mundo um lugar melhor agora!
Na história da série, rola toda uma comoção após a morte da Hannah, mas poucas pessoas realmente percebem que depois que vidas se vão (particularmente em circunstâncias como a história da série), não há mais o que lamentar e isso deve nos acompanhar na vida real todos os dias: o que a gente pode fazer hoje, agora, para tornar o dia de uma pessoa melhor?
Parece muita ideologia ou romantismo, e pode até ser que seja, mas eu gosto de acreditar nisso e me motivar para tentar fazer o bem sempre...

13. Estímulo aos diálogos
Com erros e acertos, o inegável sobre a série é que todos que a assistiram se sentiram impactados e conseguiram ter uma dimensão da real importância de falar sobre assuntos ainda considerados tabus com estupro, bullying (em diferentes formas) e até mesmo o mais difícil de todos: suicídio.
O impacto é tão real que eu estou escrevendo esse texto para falar sobre a série e já conversei com vários amigos sobre os assuntos nela abordados.
Esse é um mérito que ninguém pode tirar de 13RW: a série colocou todas as cartas na mesa e estimulou a abertura de diálogos.

E como o Clay acrescentou o lado 14 nas fitas, me dei ao direito de colocar um tópico extra sobre o assunto mais polêmico da série:
14. A cena forte no último capítulo
Sem spoilers: todo mundo sabe que a série é sobre uma garota que se suicidou e deixou registrado em fitas as "razões" que a levaram a acabar com sua própria vida.
Começa por aí: quando alguém se suicida, não existem culpados, nem mesmo a pessoa que se suicidou tem culpa.
Existem, sim, gatilhos, momentos que "amplificam" ainda mais as sensações ruins que tem acompanhado a vida dessas pessoas e a cena em que Hannah se suicida é tão forte que me deixou mal por alguns momentos (dias), pois acho que ninguém está preparado para ver algo com aquela intensidade.

Se, por um lado, eu imagino que essa cena possa ser romantizada por algumas pessoas que estejam num momento de fragilidade emocional, por outro, acho que tiveram um certo "cuidado" em não mostrar algo bonito: é doloroso de ver, é agressivo, triste, feio e faz com que a gente se sinta mal e perceba a gravidade do problema.
Não, eu não concordo em ter algo tão forte de forma explícita na tela sendo usado como "entretenimento", mas também não consigo julgar 100% e dizer que deveriam ter vetado a cena por ter entendido a intenção. Acontece que considero as cenas de estupro também muito agressivas e vejo que não tivemos tantos julgamentos em relação a isso.

Mas Math, a senhora já está sendo incoerente, kirida... pode ser, mas é porque acho que não superei ainda e talvez nunca supere essa cena e esse seria o único motivo pelo qual eu diria: não assista 13 Reasons Why, principalmente se você estiver passando por um momento de fragilidade emocional...

E vocês, já assistiram a série? O que acharam?
Conta aí pra tia!

Bjs do Math e até a próxima!

Postar um comentário

Contact

Instagram

© Blog do Math
Design by The Basic Page