Londres está longe de ser meu maior referencial de comida boa na vida...
Eu sei que tem gente -que provavelmente frequenta lugares bem específicos- que vai discordar de mim, mas veja bem: a parte mais importante de todos os meus roteiros de viagem é que eles ficam num limbo ali pelo meio do caminho, por não se encaixar em viagem tipo mochilão e não ser tão fancy quanto as viagens das blogueiras rycas e isso se reflete, obviamente, em todos os aspectos, inclusive gastronomia.

Com isso, o que tô tentando dizer é que meus critérios de avaliação são baseados em experiências intermediárias, com todos os meus enjoos de um taurino que gosta de coisas de boa qualidade, mas sem aquela exigência minuciosa de quem vive em restaurantes com estrela Michelin.

O que eu falo sempre é que os meus lugares favoritos são aqueles que entregam uma experiência com detalhes criativos e inspiradores onde eu possa ir sem ter que usar traje de gala para entrar, então, como vocês poderão ver nos pontos a seguir, os restaurantes e cafés listados aqui uma experiência baseada não apenas nos ingredientes, mas no story telling e nos elementos de design que me levaram até eles.

Acho que deu pra entender, né?
Assim sendo, bora lá...

PALM VAULTS

Foi o primeiro lugar de comidinha por onde passamos e, mais uma vez, repito o que disse no primeiro vídeo de Londres: nos surpreendemos com a localização.
Geralmente, os lugares com o perfil do Palm Vaults ficam em bairros mais fancy e descolados, com lojas moderninhas pelos arredores etc mas a região onde se encontra o Palm Vaults não tinha absolutamente nada disso.
Em frente a ele, apenas algumas farmácias, lojas de câmbio e de telefonia móvel e, guardadas as devidas proporções, o local lembrava as regiões centrais das cidades aqui no Brasil, onde tudo é meio "bagunçado", sabe?

O Palm Vaults tava no meu radar por ser um lugar com referências de design retrô que resultam de uma curadoria bem específica...

Apesar de o retrô estar bem óbvio em vários aspectos, ele foi tão bem repaginado que soa como algo completamente novo.
A fachada verde menta guarda plantinhas tropicais penduradas (que você pode comprar e levar pra casa, se quiser) por cima de um mobiliário todo millenial pink e um banheiro muito famoso no instagram com papel de parede de folhas tropicais e azulejo cor de rosa.


Tá, acho que deu pra entender que é bem lindo, mas e a comida?
No balcão tinha um bolo confeitado -tipo bolo de aniversário antigo-, todo cor de rosa e eu não teria olhos pra outra coisa, é óbvio.
O bolo tava bem delicinha -apesar de não ser tão húmido como os bolos brasileiros, viu... só pra deixar bem claro, é uma outra pegada- e eu só me atentei depois de comer a metade da minha fatia (muito bem servida, por sinal) que tudo no cardápio era bem natural/vegetariano -e tinha opções veganas também.


Sobre o atendimento: a moça que estava lá cuidando dessa parte parecia ter saído de um filme do começo dos anos 90, com roupa e penteado divertidos e bem iluminados e, quando ela percebeu que eu tava tentando tirar fotos, me indicou a bebida mais colorida pra ajudar a deixar o meu registro mais bonito.
Achei fantástico?
Claro!

Eu encontrei o Palm Vaults nas minhas buscas pelo instagram, o que faz todo sentido, já que o ambiente é altamente instagramável -com muitas fotos postadas em sua localização no insta- e ter no quadro de funcionarios pessoas que entendem esse novo momento e as novas demandas de uma geração que adora compartilhar sua rotina e seus achados na rede foi algo novo e muito divertido pra mim.

Onde: 411 Mare St, London E8 1HY
Horários: Quinta e sexta, das 9h às 17h; Sábado, das 10h às 17h30; Domingo, das 10h às 17h

DAISY GREEN

Por fora, na superfície, um micro lugar -com flores fazendo uma moldura na porta de entrada-; por dentro, um aconchego que vai além de mais flores penduradas no teto, com comida colorida que faz carinho na barriga e na alma.


Passado o primeiro momento, onde o ritmo frenético londrino mal permite que a gente entenda o funcionamento das coisas sem se sentir atrapalhando, fomos ~convidados~ pela atendente a pensar melhor sobre o que pediríamos no subsolo.

Descemos, sentamos, olhamos o cardápio o suficiente para entender que tudo ali era bem saudável meets orgânico meets vegetariano e pedimos algo desconhecido de milho (escolha bem goiana do Sander) e sanduíche com pão de banana.
Não demorou muito, apenas o tempo de eu fazer alguns takes de vídeo e algumas fotos e nossos pedidos chegaram -e qual foi a minha surpresa: simplesmente uma das coisas mais lindas que meus olhos já viram em forma de comida.


Os dois pratos vieram ornamentados com flores comestíveis e as bebidas, simples, faziam bem o seu papel de acompanhar sem tirar o foco da comida, que me pegou em cheio e me marcou a ponto de eu lembrar exatamente dos sabores enquanto digito.
O meu sanduíche com pão de banana (que na verdade, parecia uma fatia de bolo e não lembrava em nada um pão) vinha acompanhado de um creminho que amenizava o azedinho das frutas vermelhas e harmonizava na medida uma das melhores refeições que tive em Londres.
Estando lá, foi fácil entender porque não existem tantas fotos do interior do Daisy Green na internet e motivo pelo qual a maior partes das pessoas posta apenas a fachada dele no insta: a parte de dentro é bem divertida e colorida, mas a luz é péssima, bem amarelada e confusa, deixando as fotos meio estranhas e difíceis de editar...

Mas eu acho que valeu demais porque o preço também foi bem justo em relação aos outros lugares onde comemos (considerando o padrão carézimo de sequer respirar em Londres) e sentimos que valeu cada cent pela qualidade do que foi servido...
E foi assim, com um cantinho colorido, irreverente e inspirador que serve comida deliciosa que o Daisy Green entrou entrou para a minha seleta lista de lugares onde eu tenho muita vontade de voltar um dia.

Onde: 20 Seymour St, Marylebone, London W1H 7HX
Horários: segunda à sexta, das 7h às 17h; sábado das 7h30 às 17h e domingo, das 8h às 17h

MISTER FITZ

A fachada cor de rosa, bem retrô com letreiro e um sorvete de neon na entrada faziam lembrar o museu do sorvete (MOIC) e se tornou um hype no insta da galera do bonde do feed rosinha -o que me fez colocar a Mister Fitz como ponto obrigatório no meu roteiro.

Assim como o museu do sorvete, a Mister Fitz também era uma "experiência" pop-up -foi aberta para o verão e fecharia por tempo indeterminado poucos dias depois da nossa chegada em Londres-, e eu já fiquei sabendo que vai abrir novamente esse ano, provavelmente com outra proposta e talvez em outro lugar, eu suponho.
Era o sorvete mais gostoso do universo? Não, não era...
Era um sorvete ruim? Também não;
Apenas um sorvete ok, nada de tão marcante -inclusive nem lembro qual foi o meu escolhido- mas se parece que você tá chegando no set de gravação do clipe de Dark Horse da dona Katia Perez ou em uma instalação do MOIC, já vale a pena (e o mais engraçado foi observar como as pessoas passavam na rua e simplesmente ignoravam a existência dessa belezinha cor de rosa no meio de todo aquele cinza).

Como ela é pop up, recomendo que você acompanhe pelo insta pra saber se vai estar funcionando quando você estiver por lá!

FARM GIRL

Eu queria muito ter conhecido (de verdadinha) o Farm Girl de Notting Hill (na verdade, até passei por lá e comentei no post sobre o bairro que é bem pequeno e sempre muito disputado) mas isso foi ótimo porque acabou nos levando até o Chelsea, outro bairro bem legal da cidade onde fica uma unidade maior e belíssima, que infelizmente não consegui fotografar direito porque chegamos no começo da noite.

Foi lá que tivemos a confirmação que alimentação mais saudável tá ganhando muita força em Londres, pois todo o cardápio de lá também tinha essa pegada.
Eu não sabia muito bem o que pedir e acatei a sugestão da funcionária (fofa e super solícita que nos atendeu), mas não curti muito porque não sou uma pessoa tão apaixonada por carnes...

Não sei se é assim sempre ou se era por alguma ocasião/evento específico, mas a parte dos fundos, onde tem esses arcos iluminados e uns flamingos no meio das plantinhas estava fechada e a gente teve que escolher outro cantinho pra sentar. Porém isso não foi um problema porque cada centímetro quadrado do lugar tem uma decoração belíssima, de extremo bom gosto e super moderninha, exatamente de acordo com a proposta de branding do Farm Girl.
Existe também um outro, menor -mas não menos lindo- na Carnaby Street e, sim, pretendo voltar para provar outras coisas do cardápio porque a experiência foi bem gostosinha, mesmo eu não tendo amado de paixão a comida.

Onde: 9 Park Walk, Chelsea, London SW10 0AJ
Horários: Segunda à sexta das 8h às 18; sábado e domingo, das 9h às 18h

MERIDIAN LOUNGE - o chá da tarde

Eu sou uma pessoa apaixonada por chás e amo doces, mas sou bem exigente (ou enjoado, como você preferir) com ambos e isso fez com que até os últimos momentos da viagem, a gente não soubesse onde tomaríamos o famoso chá da tarde...
As opções que eu mais gostei durante as minhas buscas pela internet, ou já não estavam mais disponíveis ou ficavam muito na contramão e, quando eu já tinha desistido da ideia, o Sander fez uma reserva surpresa por conta própria no Intercontinental e lá fomos nós.

O lugar é lindo, bem sofisticado e moderno, o atendimento, maravilhoso e o chá também tava ok, mas eu não gostei dos doces... 
Na verdade, me pareceu tão absurdo que as moças na mesa ao lado da nossa estivessem deixando tantos doces com apenas uma mordida ou intactos de lado e quando os nossos chegaram, eu compreendi, da pior forma, o motivo de tantas sobras... todos os doces tinham gosto muito estranho ao meu paladar e não ornavam em nada com o chá.

Não que tenha sido uma experiência ruim (até porque, pra mim, não se resume a apenas comer), mas é o lugar que eu menos indicaria da lista por motivos óbvios...

CAFE MIAMI

Antes de sequer imaginar que iria a Londres, o Café Miami entrou para a minha pasta de "lugares para conhecer" nos itens salvos do instagram e serviu de inspiração inclusive para o encontrinho que fiz em Goiânia...

O lugar é uma graça e, mesmo sendo super retrô, é fresh, moderno e descolado ao mesmo tempo, até porque a playlist ambiente -zero óbvia, cheia de rap e beats urbanos e mais "pesados"- reforça ainda mais os contrastes na experiência, deixando tudo menos afetado.

O atendimento rola na mesma vibe "não tenho todo o tempo do mundo pra você" misturado com "tem como você se virar aí?", rs.
Não foi um atendimento ruim, mas também não foi gracioso como eu imaginei que poderia ser em um lugar tão fofíneo... a moça tinha uma vibe meio indiferente, mas talvez pelo fato de o lugar ser tão lindo e iluminado, não me afetou.
Acho que eu tava tão feliz por estar ali que nada afetaria meu mood... hahaha

Como o café é inspirado na arquitetura de Miami (e a vibe art deco não é fake, tá? O café fica em um complexo realmente realmente antigo e com as linhas clássicas do movimento arquitetônico), o cardápio também tem influência americana.

cafe miami london cafes and restaurants blog do math

cafe miami london cafes and restaurants blog do math

Pra começar, pedimos um chocolate quente rosa (quem lembra que eu ensinei no canal num especial de páscoa anos atrás?) com mini marshmelows, que tava bem gordurosinho -mas isso é da própria receita mesmo, por usar chocolate branco como base- e era altamente instagramável.
Meu pedido "oficial" foi waffle com blueberry, geleia e bacon e eu achei bem gostosinho, apesar de nada soficado, e também curti a mistura inusitada entre o doce da geleia e o salgadinho do bacon. 
Pra beber, pedi um frapê de coco e me decepcionei um pouco porque amo frapê e esse não tava encorpado como eu gosto -na verdade, parecia mais um suco de coco feito com leite.
cafe miami london cafes and restaurants blog do math

cafe miami london cafes and restaurants blog do math

É isso: tô sendo bem realista sobre o cardápio e não tem como pensar em dizer que é a melhor comida do mundo, mas também não é ruim e vale pelo lugar, que é realmente muito fofo em todas as medidas possíveis.
P.s.: eu comprei um pin com o logo do lugar, que estava a venda perto do caixa por 3 libras e infelizmente perdi... se alguém for lá e puder trazer um pra mim, eu agradeço e pago o frete, rs.

Onde: 25 Lower Clapton Rd, London E5 0PD
A lista de horários é bem confusa, então dá um confere aqui.

Bem, é isso... ficamos uma semana em Londres e geralmente íamos a um lugar mais arrumadinho para a refeição principal e fazíamos lanches pequenos na rua durante o dia e a última refeição era o que estivesse mais perto, afinal, a gente andava muito e só queria deitar e dormir no fim do dia, rs.

Se por acaso você não viu os vídeos da viagem ainda, a playlist tá aqui em baixo, ó:



É isso, manas...
Espero que o conteúdo seja útil e quero saber se você já conhece Londres, se tem alguma coisa pra indicar da cidade, porque eu pretendo voltar e vou amar achadinhos novos, hehe.

Bjs do Math e até a próxima!


Postar um comentário

Contact

Instagram

© BLOG DO MATH
Design by The Basic Page